Desenho e Gestão de Projetos

Apresentação do Programa

Este programa oferece uma formação abrangente em projetos que abrangem os diferentes processos que correspondem a cada uma de suas fases, permitindo ao aluno incorporar o conhecimento e as ferramentas necessárias para formular propostas viáveis e viáveis de execução, tendendo a um uso eficiente dos recursos e, assim, alcançar as situações desejadas que superam os problemas, conflitos ou necessidades do cenário inicial.

As disciplinas que compõem este programa abordam os principais conhecimentos necessários para o desenvolvimento de um desenho e gestão corretos de um projeto. Para garantir isso, o trabalho foi realizado paralelamente ao desenvolvimento dos principais padrões de conhecimentos e habilidades profissionais relacionados à área, em conjunto com o IPMA/AGPA.

A quem é dirigido

A metodologia de formação proposta abrangeu todas as áreas do desenho e gestão de projetos, permitindo que o programa seja direcionado a pessoas com formação nas áreas de arquitetura, design, engenharia e ciências exatas, bem como pessoas com formação na área econômico-administrativa e que desejam uma especialização prática no desenho e gestão de projetos.

Titulação

A conclusão bem-sucedida do Programa permitirá a obtenção do grau de Especialização em Desenho e Gestão de Projetos.

No final do programa, o aluno receberá o título emitido pela Universidade onde se matriculou.

Certificação profissional

Mediante o acordo de cooperação que a FUNIBER mantém com a Asociación de Gestión de Proyectos Argentina (AGPA) e o Organismo Certificador IPMA Argentina (OCIA), cada estudante terá a possibilidade de se tornar profissionalmente certificado como Técnico em Gerenciamento de Projetos IPMA Nível D.

Para se candidatar à Certificação Nível “D” do IPMA (Técnico em Gerenciamento de Projetos) (*), o estudante deve estar inscrito para a certificação e ter concluído o Módulo de Desenho de Projeto. A certificação consiste na realização de um exame aplicado pelo OCIA.

(*) Exclusivo para estudantes residentes na América

Para mais informações:

https://agpa.org.ar/ocia/

ocia@agpa.org.ar

Estrutura do Programa

A duração estimada do programa de Desenho e Gestão de Projetos é de 500 horas (50 créditos) 1.

Quanto à distribuição do tempo, é estabelecido que:

  • Por ser um programa misto, os horários estarão sujeitos à frequência das classes presenciais e a distância.
  • O tempo máximo disponível para concluir o programa é de um ano. Nesse período, o aluno deverá ter realizado todas as avaliações correspondentes às disciplinas e ao Estudo e Resolução de Atividades, e no caso da Especialização ou Pós-Graduação, o Trabalho Final.

A estrutura de crédito do Programa de Desenho de Projetos é mostrada na tabela a seguir:

  CRÉDITOSa DURAÇÃOb HORAS
1ª Parte: Disciplinas 38 9 380
2ª Parte: Trabalho Final de Curso 12 3 120
TOTAL 50 12 500

a. A equivalência em créditos pode variar dependendo da universidade que se titule. Um (1) crédito ECTS (European Credit Transfer System/Sistema Europeu de Transferência de Créditos) equivale a 10 + 15 horas. Se o aluno cursa o Programa matriculado em uma universidade que não pertença ao Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES), a relação entre créditos - horas pode variar.
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo Gral

Adquirir formação avançada e multidisciplinar que permita identificar as diferentes fases e componentes do processo de desenvolvimento e execução de um projeto, permitindo uma visão holística capaz de entender um conflito ou problema, analisar seu entorno, interpretar as causas que o geram e, assim, poder propor uma solução viável e viável que garanta melhorias consideráveis, fazendo uso eficiente dos recursos disponíveis.

Objetivos Específicos

  • Entender a importância de definir adequadamente o contexto específico em que se desenvolve o problema/conflito/necessidade em que se deseja intervir
  • Adquirir e aplicar ferramentas para análise de cenários e gestão de partes interessadas, que contribuem para reduzir riscos e aumentar as chances de sucesso do projeto.
  • Utilizar uma metodologia apropriada ao desenho de um projeto, que permita sua aplicação a casos específicos.
  • Conhecer e interpretar as implicações de cada fase do ciclo de vida do projeto, identificando o papel do diretor do projeto.
  • Adquirir conhecimentos e habilidades para a gestão de projetos, trabalhando em colaboração com profissionais de diferentes disciplinas.
  • Reconhecer e diferenciar as fases de desenvolvimento de um projeto e os componentes que os constituem.

Saídas Profissionais

Algumas das oportunidades profissionais do programa de Especialização em Desenho e Gestão de Projetos são:

  • Gerentes de escritório de projetos.
  • Consultores de projeto.
  • Gestores de projetos de inovação tecnológica e de conhecimento.
  • Pesquisadores na área de ciência de projetos e do trabalho profissional no campo de projetos.
  • Áreas de desenvolvimento de projetos pertencentes a governos.
  • Áreas de desenvolvimento de projetos nas Universidades.
  • Departamentos de gestão de projetos e administração de recursos.

Plano de estudos

O programa de Desenho do Projeto é composto por 10 disciplinas e, no caso da Especialização ou Pós-Graduação, um Trabalho Final do Curso chamado Trabalho Final de Especialização:

  • 1ª PARTE: DISCIPLINAS

Os sujeitos permitem a compreensão, o conhecimento e a prática do processo de desenho e gestão de um projeto.

Desenho e Gestão de Projetos permite a introdução de metodologias de trabalho para gerar e gerenciar com eficiência a avaliação e o conhecimento gerado ao longo deste.Os assuntos e horas correspondentes que compõem o programa são mostrados na tabela a seguir:

Estas disciplinas mantêm a particularidade de responder a uma ordem sequencial e didática, que deve ser respeitada desde o início. Em cada uma será realizado um exercício, o que permite ver rapidamente como colocar em prática o conhecimento teórico.

  • PARTE 2: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

No caso de Especialização ou Pós-Graduação, a última fase do Programa será usada para preparar o Trabalho Final de Especialização, que será uma monografia do projeto desenvolvido.

O Trabalho Final de Especialização deve ser uma contribuição original para o campo de projetos com um forte componente de possível aplicação prática. É importante entender que nessa área, de projetos, é de extrema importância que as propostas sejam viáveis para se materializarem.

PARTE 2: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO
# DISCIPLINAS CRÉDITOS HORAS
1 Trabalho Final de Especialização 12 120
TOTAL 12 120

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISCIPLINAS

  1. INTRODUÇÃO A PROJETOS

    Esta disciplina nos permite incorporar conhecimentos gerais e introdutórios no desenvolvimento de projetos. Nele, propõe-se promover nas pessoas um trabalho cooperativo e colaborativo entre iguais para responder de forma aberta, crítica e ponderada às diversas expressões nas quais se manifesta a interação entre sociedade, conhecimento e tecnologia, com a intenção de capacitar profissionais aptos para se desenvolver em seu âmbito profissional e/ou científico de maneira adequada.

    INTRODUÇÃO A PROJETOS
    CONFLITO E PROBLEMA
    OBJETIVOS DE INTERVENÇÃO
    SISTEMAS EM PROJETOS
    PROBLEMA TÉCNICO
  2. DESENHO DE SISTEMAS PROJETUAIS

    Nesta disciplina prática, o objetivo é orientar os projetistas na análise de pessoas e coisas que serão afetadas pelo projeto. O estado das coisas é analisado por meio de diagnóstico, para obter uma visão detalhada de toda a situação.

    CENÁRIO DE PROJETO
    SISTEMA DE SOLUÇÃO: PRODUTO E SERVIÇO
    PESSOAS ENVOLVIDAS NA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA
    LIMITAÇÕES À SOLUÇÃO
  3. ANÁLISE FUNCIONAL E DE SERVIÇOS NO PROJETO

    Nesta disciplina prática, é feita uma apresentação da solução mais adequada, de acordo com as características do serviço ou produto desejado descrito no exercício anterior. Descrição detalhada do funcionamento do sistema. Exposição do serviço oferecido e estimativa das funções do serviço

    O SERVIÇO DESEJADO E AS CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO
    ANÁLISE DE MANTIMENTOS E FORNECIMENTO
    QUADRO DE FUNÇÕES DE SERVIÇO
    ESTRUTURA DE DIVISÃO TRABALHISTA
  4. SEGURANÇA E CONFIABILIDADE NO PROJETO

    Nesta disciplina, o sistema de solução proposto deve ser avaliado para detectar se é capaz de garantir a segurança dos operadores, a confiabilidade operacional necessária e o cuidado com o ambiente. Também se propõe fazer uma avaliação dos riscos existentes e tentar reconhecer os mais relevantes para o projeto, decidindo uma possível intervenção para cada um deles.

    RISCOS DO PROJETO
    CONFIABILIDADE
    SEGURANÇA E PREVENÇÃO
    TRATAMENTO DE RISCOS
    IMPACTO AMBIENTAL DO PROJETO
  5. ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO

    Esta disciplina é dedicada à apresentação do trabalho desenvolvido nas disciplinas práticas anteriores. São analisadas as ferramentas e os formatos apropriados para uma exposição do projeto, estuda-se a forma mais eficaz de comunicação e os meios mais adequados.

    ELABORAÇÃO DO ANTEPROJETO
    ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DO PROJETO
  6. PESQUISA DE OPERAÇÕES

    Esta disciplina formulará e resolverá modelos de programação linear de problemas em sistemas de produção e aplicará métodos de programação linear para obter a melhor solução. Além disso, utilizará programas de computador dos diferentes algoritmos e explicará os resultados das soluções obtidas, gerando uma atitude de aplicação da abordagem sistêmica para a criação de modelos matemáticos no trabalho diário do campo profissional.

    INTRODUÇÃO
    FUNDAMENTOS DE SISTEMA
    MODELAGEM
    PROGRAMAÇÃO LINEAL
    ALGORITMOS ESPECIAIS
    REDES
    PROGRAMAÇÃO INTEGRAL
  7. LOGÍSTICA E CADEIA DE FORNECIMENTO

    Esta disciplina permitirá conhecer e entender o conceito de logística dentro das operações organizacionais para dominar a gestão da aquisição, movimentação e armazenamento de produtos, o controle de estoques e as informações associadas a todos eles.

    LOGÍSTICA
    CADEIA DE SUPRIMENTOS
  8. AS ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO

    Nesta disciplina, devem ser fornecidas especificações técnicas, referentes aos diferentes elementos constituintes das diferentes fases do projeto. Tentando abordar os valores do projeto, tanto em seus custos quanto em sua receita, reconhecendo também o momento dos desembolsos a serem executados em cada fase. A exposição descritiva dos quais serão os documentos finais que descrevem o projeto também será abordada.

    AS ESPECIFICAÇÕES NO PROJETO
    ANÁLISE DOS RECURSOS
    ORÇAMENTO E CRONOGRAMA DE INVESTIMENTO
    PREFACTIBILIDADE DO PROJETO
    ESPECIFICAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO PROJETO
    DOCUMENTAÇÃO DO PROJETO
  9. OS SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADA: QUALIDADE, AMBIENTE E PREVENÇÃO

    Esta disciplina nos permitirá aprender a detalhar, especificar e explicar o funcionamento, detalhe e a constituição da solução potencial fornecida por um projeto.

    OS SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADA
    MODELOS DE INTEGRAÇÃO
    GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA
    CASO PRÁTICO: SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA
  10. AVALIAÇÃO FINANCEIRA DO PROJETO

    Nesta disciplina, os conceitos contábeis fundamentais são revisados, para depois se focar nos tópicos essenciais de controle e gestão de custos. Permite compreender o papel da informação nas organizações por meio da geração e análise de orçamentos, entendidos como a base dos processos gerenciais e de planejamento estratégico.

    CONTROLE E GESTÃO DE CUSTOS
    DIREÇÃO FINANCEIRA
    AVALIAÇÃO DE PROJETOS

PARTE 2: TRABALHO FINAL DE ESPECIALIZAÇÃO

No caso de Especialização ou Pós-Graduação, a última fase do Programa será usada para preparar o Trabalho Final de Especialização, que será uma monografia do projeto desenvolvido.

O Trabalho Final de Especialização deve ser uma contribuição original para o campo de projetos com um forte componente de possível aplicação prática. É importante entender que nessa área, de projetos, é de extrema importância que as propostas sejam viáveis para se materializarem.


Nota: O conteúdo do programa acadêmico pode estar sujeito a pequenas modificações, dependendo das atualizações ou melhorias feitas.

Direção

  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor pela Universidade Politécnica da Catalunha, em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Segurança, Qualidade e Comunicação. Mestre pelo Politécnico de Milão, em Gerenciamento de Projetos e de Desenho, arquiteto pela Universidade de Buenos Aires, UBA. Desenvolvedor do primeiro modelo de incubadoras de projetos para jovens profissionais. Presidente da AGPA IPMA (International Project Management Association) Argentina.
  • Dr. Luis Dzul López. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção pela Universidade Politécnica da Catalunha (UPC). Mestre em Engenharia pela Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM). Engenheiro civil. Especialista em projetos de cooperação internacional. Professor da Universidade Internacional Iberoamericana.
     

Professores e Autores

  • Dr. Jose del Carmen Zavala Loria. Doutor em Ciências em Engenharia Química pelo Instituto Tecnológico de Celaya, México.
  • Dr. Julio Cesar Martinez Espinosa. Doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade Nacional Autônoma do México.
  • Dr. Carlos Eduardo Uc Ríos. Doutor em Ciências em Engenharia Elétrica, com especialização em telecomunicações pelo Centro de Pesquisa e Estudos Avançados do Instituto Politécnico Nacional (CINVESTAV-IPN), no México.
  • Dr. Miguel Ysrrael Ramírez Sánchez. Doutor em Educação, com especialização em pesquisa pela Universidade Internacional Iberoamericana de Arecibo, Porto Rico, e doutorando em Gestão Estratégica e Políticas para o Desenvolvimento na Universidade Anahuac-Mayab, México.
  • Dr. Marco Antonio Rojo Gutiérrez. Doutor em Estudos Sociais, Linha de Economia Social pela Universidade Metropolitana Autônoma (UAM, México).
  • Dra. Izol Marez. Doutora em Arquitetura. Professora da Universidade Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Alberto Vera. Doutor em Integração e Desenvolvimento Econômico e Territorial. Arquiteto. Professor titular do curso de Gestão Ambiental Urbana, Universidade Nacional de Lanús, Argentina.
  • Dra. Martha Velasco. Doutora em Projetos de Inovação Tecnológica, Especialista em Gestão de Projetos, Mestra em Ciências em Administração e Engenharia Industrial. Pesquisadora em Desenvolvimento Sustentável e Compromisso Social. Professora da Universidade Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Miguel Ángel López Flores. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor-pesquisador do Instituto Politécnico Nacional do México.
  • Dr. Arturo Ortega. Doutor em Engenharia Eletrônica. Engenheiro de telecomunicações. Diretor de PD+I da FUNIBER.
  • Dr. Benjamín Otto Ortega Morales. Doutor em Ciências com especialização em Microbiologia. Professor-pesquisador da Universidade Autônoma de Campeche.
  • Dra. Brenda Bravo. Doutora em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professora da Universidade Metropolitana do México.
  • Dr. Víctor Jiménez. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor da Universidade Metropolitana do México.
  • Dr. Héctor Solano. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Professor da Universidade Internacional Iberoamericana.
  • Dra. Izel Márez. Doutora em Engenharia de Projetos. Mestra em Gestão Ambiental e Auditorias.
  • Dr. Roberto M. Álvarez. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Mestre em Gerenciamento de Projetos e de Desenho pela Politécnica de Milão, Itália. Professor da Universidade de Buenos Aires, Argentina. Diretor da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) Argentina.
  • Dr. Luis Dzul López. Doutor em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Especialista na elaboração de projetos de cooperação internacional. Professor da Universidade Internacional Iberoamericana.
  • Dr. Santos Gracia Villar. Doutor em Engenharia de Projetos. Engenheiro industrial. Especialista em Projetos de Cooperação Internacional.
  • Dra. Olga Capó Iturrieta. Doutora em Engenharia de Projetos: Meio Ambiente, Qualidade e Prevenção. Engenheira Civil industrial. Responsável pela Área de Projetos do Instituto de Pesquisa Agropecuária (INIA), Chile.
  • Dr. José Rodríguez. Doutor em Engenharia Civil. Engenheiro civil. Chefe da Área de Gestão Ambiental da FUNIBER Peru.
  • Dr. Lázaro Cremades. Doutor em Engenharia Química. Professor de engenharia de projetos na Universidade Politécnica da Catalunha.
  • Dra. Margarita González. Doutora em Engenharia Química. Professora de engenharia de projetos na Universidade Politécnica da Catalunha.
  • Dr. José Cortizo Álvarez. Professor Titular do Departamento de Geografia e Geologia da Universidade de León, Espanha.
  • Dr. Manuel Castejón Limas. Professor Titular do Departamento de Engenharia Mecânica, de Computação e Aeroespacial da Universidade de León, Espanha.
  • Dr (c). Diego Kurtz. Mestre em Engenharia e Gestão do Conhecimento.
  • Dr (c). Marcelino Diez. Doutor (c) em Projetos. Especialista e Mestre em Gerenciamento de Projetos. Certificado pelo Project Management Institute (PMI) como Gerente de Projeto Profissional.
  • Dr (c). Nelson Yepes. Doutor (c) em Projetos. Engenheiro industrial. Especialista em Gestão Financeira e Mestre em Desenho, Gestão e Direção de Projetos.
  • Dra. Silvana Marín Garat. Dra. em Projetos. Economista. Mestra em Desenvolvimento Sustentável. Experiência profissional no desenvolvimento de projetos de negócios no exterior e consultoria em Comércio Exterior.
  • Dr. Pablo Urquíz. Doutor (c) em Projetos. Engenheiro de computação. Mestre em Direção Estratégica em TICs. Experiência como Diretor e Consultor em Informática e Tecnologia da Informação, Design de Sistemas e Webmaster.
  • Dr. Santiago Brie. Doutorado em Projetos pela Universidade Internacional Iberoamericana. Mestre em Desenho, Gestão e Direção de Projetos pela Universidade de León, Espanha. Graduado em Gestão Ambiental Urbana pela Universidade Nacional de Lanús, Argentina. Professor da Universidade Internacional Iberoamericana.
  • Dr (c). Jhonny Espinosa Bryson. Engenheiro Mecânico e Mestre em Desenho, Gestão e Direção de Projetos. Consultor em direção de projetos estratégicos.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente um valor econômico de caráter extraordinário para Bolsas de estudo em Formação FUNIBER.

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez que tenhamos recebido a documentação, o Comitê Avaliador examinará a idoneidade de sua candidatura para a concessão de um incentivo econômico na forma de Bolsa de estudo em Formação FUNIBER.