Curso de Jornalismo e Ciências da Informação

Apresentação do Programa

Novos meios de comunicação requerem de novos profissionais e é essa a pretensão principal deste programa, já que se busca criar nos profissionais uma consciência crítica, fundamentada em conhecimentos práticos e modernos, para que possam não somente adaptar-se a este novo panorama, mas também converter-se em pioneiros no tratamento da informação jornalística.

O jornalismo sofreu uma série de modificações pela inovação tecnológica. Fatores como a massificação do consumo da informação, a diversidade das plataformas para sua apresentação e a democratização tanto dos meios, como da informação mesma, fizeram com que nos questionemos sobre o papel que desempenha a informação em todas as esferas de nossa vida.

O Programa de Jornalismo e Ciências da Informação desenvolve uma temática que contém um conjunto de conhecimentos metodológicos e modernos, para que o profissional possa abordar esta mudança através da utilização das novas ferramentas de pesquisa e redação jornalística desenhadas para este novo panorama.

A quem é dirigido

O Programa de Jornalismo e Ciências da Informação, por sua estrutura acadêmica, está dirigido principalmente a:

  • Graduados em Jornalismo.
  • Graduados em Ciências da Comunicação.
  • Ciências Sociais (Sociologia, Ciências Políticas, Humanidades, etc.).

Titulação

A conclusão com sucesso do Programa permitirá que você obtenha a titulação do Curso de Jornalismo e Ciências da Informação .

Após a conclusão com êxito do Programa, o aluno receberá o diploma emitido pela Universidade em que se matriculou.

Estrutura do Programa

A duração estimada do Programa de Jornalismo e Ciências da Informação é de 1 ano.

Em relação à distribuição do tempo, estabelece-se que:

  • Por ser um Programa a distância e não estar sujeito a aulas presenciais, não se estabelece uma data específica de início, por isso o aluno pode formalizar a matrícula em qualquer momento, sempre que houver lugares disponíveis.
  • Por motivos acadêmicos e de aprendizagem, dispõe-se de uma duração mínima do Programa de 6 meses.
  • O tempo máximo de que se dispõe para realizar o Programa é de 12 meses. Neste período de tempo, o aluno deve ter entregue todas as avaliações correspondentes às disciplinas e o Trabalho Final de Curso.

A estrutura de créditos do Programa de Jornalismo e Ciências da Informação apresenta-se na seguinte tabela:

  CRÉDITOSaa DURAÇÃObb HORAS
1ª Parte: Disciplinas 31 9 310
2ª Parte: Trabalho Final de Curso ou Projeto 10 3 100
TOTAL 41 12 410

a. A equivalência em créditos pode variar segundo a universidade que titule
b. Duração em meses

Objetivos

Objetivo Principal:

  • O objetivo principal do programa de Jornalismo e Ciências da Informação é dotar os profissionais dos conhecimentos necessários para o correto tratamento da informação, ensinando as técnicas que permitam realizar uma pesquisa jornalística, entrevistar com visão estratégica, com orientação prática, em concordância com os objetivos traçados pelo jornalista.
  • Pretende-se que o profissional desenvolva as habilidades necessárias de redação para poder veicular a informação no formato adequado para meios escritos e digitais.

Objetivos Específicos:

  • Adquirir competências na produção de mensagens jornalísticas em diferentes áreas.
  • Formar jornalistas que possam não apenas desenvolver com êxito sua atividade nos meios de hoje, mas que contribuam também para o desenvolvimento do jornalismo do século XXI.
  • Dotar os estudantes de conhecimentos atualizados sobre diversas especialidades jornalísticas e prepará-los para as necessidades do mercado em agências, imprensa, rádio, televisão e Internet.
  • Refletir a respeito das normas e os princípios éticos que regem e orientam a atividade profissional dos comunicadores no contexto da globalização.

Saídas Profissionais

Algumas das saídas profissionais do Programa de Jornalismo e Ciências da Informação são as seguintes:

  • Diretor Editorial.
  • Jornalista.
  • Repórter.
  • Redator.

Plano de estudos

O Programa de Jornalismo e Ciências da Informação é composto por um bloco (integrado por oito disciplinas) e um Trabalho Final de Curso ou Projeto.

  • 1ª PARTE: DISCIPLINAS (310 HORAS)

A primeira parte da especialização permite que o estudante conheça aprofundadamente as origens do gênero jornalístico, sua evolução histórica e como as TIC desempenham um papel determinante neste gênero. Por sua vez, procura-se ensinar as técnicas e habilidades práticas para a pesquisa, tratamento de fontes, realização de entrevistas e redação de notícias, que podem variar segundo o suporte de cada meio de comunicação.

As disciplinas e horas correspondentes que compõem a primeira parte exibem-se na seguinte tabela:

Estas disciplinas, apesar de serem independentes entre si, estão estruturadas segundo uma ordem pedagógica coerente que facilita sua compreensão de menor a maior complexidade. Cada disciplina se divide em unidades temáticas básicas ou capítulos, cujo conteúdo inclui material impresso que deve ser estudado para responder satisfatoriamente às provas de avaliação.

  • 2ªPARTE: TRABALHO FINAL DE CURSO OU PROJETO (100 HORAS)

A última fase do Programa se destinará à elaboração do Projeto.

O objetivo é apresentar um documento que contenha o desenvolvimento total do projeto proposto, desde a ideia inicial até sua passagem a suporte audiovisual. Ao ser o resumo do Programa, o Projeto deverá contemplar os diferentes campos estudados.

  DISCIPLINAS HORAS
1 TRABALHO FINAL DE CURSO OU PROJETO 100

Descrições dos Cursos

1ª PARTE: DISCIPLINAS

  1. HISTÓRIA E GÊNEROS DO JORNALISMO

    Esta disciplina mostra a evolução do jornalismo e seus principais gêneros. Também ensina as principais habilidades para a criação de uma notícia, as características das fontes de informação, assim como os gêneros, técnicas e estilos de redação jornalísticos e a aplicação da Internet a esta disciplina.

    TEORIA GERAL DO JORNALISMO
    Mudanças, evolução e tendências. As escolas ou correntes. O jornalismo de fins do século 20 e a pós-modernidade..
    MEIOS E LEITORES
    Ouvintes e telespectadores. O jornalismo de interpretação. Informação, base de dados e interpretação. Antecedentes e projeções. Ponderação. Fontes. Confrontação. Estilos e linguagens.
    TÉCNICAS DE REDAÇÃO JORNALÍSTICA
    Crônica, reportagem e entrevista. O gênero de opinião. O editorial. Artigo de fundo. O editorial como representação do pensamento oficial do meio. Consideração sobre a presença editorial na imprensa. Impacto sobre elites dirigentes. Página editorial. Autorias. O estilo. O discurso editorial. Estratégias dos meios com o discurso de opinião. O artigo editorial como objeto de investigação. O artigo de opinião e o editorial. Transformação dos gêneros jornalísticos na Internet.
  2. JORNALISMO INVESTIGATIVO - APLICAÇÃO DAS TIC

    Esta disciplina é composta por uma série de elementos que o estudante deve conhecer para realizar investigações jornalísticas que aprofundem eventos que afetam o bem comum.

    O QUE É E O QUE NÃO É JORNALISMO DE INVESTIGAÇÃO?
    Características do Jornalismo de Investigação. Elementos que condicionam o Jornalismo de Investigação. Tipos do jornalista investigador. Antecedentes do Jornalismo de Investigação.
    O PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO
    Estratégia de trabalho, métodos e técnicas. Os limites legais do Jornalismo de Investigação. Metodologias de planejamento e desenvolvimento de uma reportagem jornalística de investigação.
  3. PESQUISA JORNALÍSTICA QUALITATIVA E QUANTITATIVA

    É um conjunto metodológico que o jornalista deve aplicar com meticulosidade quando quer se aprofundar em um assunto de interesse público..

    ÂMBITOS DA PESQUISA APLICADA NO JORNALISMO
    Características gerais do processo de pesquisa. Diferença entre pesquisa qualitativa e quantitativa. Principais ferramentas e técnicas de pesquisa. Quando aplicar cada uma.
  4. ENTREVISTA JORNALÍSTICA (IMPRENSA ESCRITA-RÁDIO-TV)

    A entrevista jornalística como um meio de adquirir e transmitir informação através do recurso do diálogo tem uma série de elementos que se devem levar em conta no momento de realizá-la. Esta disciplina pretende fornecer tais requisitos, ensinando ao profissional estratégias para realizar uma entrevista, cumprindo com os objetivos estabelecidos e estudando cada uma das variáveis que podem ocorrer.

    DIÁLOGO, CONVERSAÇÃO, DISCUSSÃO, INTERROGATÓRIO, QUESTIONÁRIO
    Perguntar, escutar, entender, intuir, replicar. Objetivo da entrevista: perguntar, conhecer, saber, descobrir.
    AS PERGUNTAS PRÉVIAS À ENTREVISTA
    O que sei (e o que não sei), o que quero saber (que não se saiba) e como posso sabê-lo (saber o quê e como perguntar). Objetivo e estratégia da entrevista: preconceitos sobre a questão e a pessoa entrevistada, informação, documentação, hipótese; horizonte da entrevista. Tipos de entrevistas. Preparação da entrevista.
    A REALIZAÇÃO DA ENTREVISTA
    A entrevista nos meios audiovisuais: vantagens e perigos do direto. A entrevista na Internet.
  5. FONTES INFORMATIVAS E REDAÇÃO DA NOTÍCIA

    A informação é o respaldo de toda a notícia, a fonte homóloga à informação, tal caso envolve implicações sociais e jurídicas. Esta disciplina visa ensinar técnicas para a validação e classificação da informação, assim como para gerenciar o tratamento que deve fazer-se à fonte de informação.

    DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE FONTE DE INFORMAÇÃO
    Classificação e traços defindores dos tipos de fontes informativas existentes. Técnicas para a identificação, comparação e validação de uma fonte informativa. Normas de citação de fontes.
    OFF THE RECORD
    Conceito, metodologia de trabalho e aplicações para o comunicador.
    FONTES DE INFORMAÇÃO NA INTERNET
    CONCEITO DE NOTÍCIA
    Os valores da notícia. Pirâmide invertida. A notícia na Internet. Recursos estilísticos. Classificação da notícia. O título informativo: Conceito e tipos. Estratégias para a hierarquização da informação. Meios de comunicação e atualidade.
  6. ANÁLISE E CRÍTICA DA MÍDIA

    Esta disciplina procura desenvolver uma consciência crítica dos sujeitos em relação aos meios de comunicação e ao papel que desempenham na sociedade, a influência da mídia e os aspectos éticos e sociais com os quais administra a informação.

    INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA SOCIEDADE ATUAL
    Função social e responsabilidade da mídia. Os problemas éticos na mídia de massa.
    GÊNEROS DE OPINIÃO
    Chaves para a argumentação. Crítica literária. Metodologias para a análise de textos.
  7. REPORTAGENS E REDAÇÃO (RÁDIO, TELEVISÃO, IMPRENSA ESCRITA E INTERNET)

    A reportagem é a maneira pela qual os meios de comunicação apresentam a informação. Esta disciplina pretende ensinar a estrutura de uma reportagem, sua classificação e técnicas de elaboração, atendendo ao suporte de cada meio de comunicação.

    REPORTAGEM
    Técnicas para a imprensa escrita. A reportagem nos meios audiovisuais. A reportagem gráfica. A crônica nos diversos meios. Tipos de reportagens. Técnicas de elaboração de uma reportagem. A grande reportagem. As fontes informativas na reportagem. Recursos literários na reportagem. Diretrizes formais para a elaboração da reportagem impressa, radiofônica, televisiva e multimídia.
  8. CIBERJORNALISMO

    Internet é a plataforma para muitos meios de comunicação. Esta disciplina ensina os gêneros jornalísticos on-line mais relevantes, as técnicas para a gestão de meios eletrônicos de comunicação e a nova forma de comunicação que se gerou com o surgimento desta nova tecnologia.

    O CONCEITO DE INTERNET
    Sua evolução e características. Internet como meio de comunicação. Características do jornalismo online: imediatez, multimídia, personalização, interatividade e hipertextualidade.
    EVOLUÇÃO DO JORNALISMO DE INTERNET
    Dos gêneros jornalísticos aos gêneros ciberjornalísticos. Técnicas e conselhos para a elaboração de mensagens informativas on-line. O papel do ciberjornalista: perfis, habilidades e competências. Web 2.0 e jornalismo. O processamento e publicação de informação na Internet através de um sistema de gestão on-line de conteúdos. Blogs como ferramentas para o exercício jornalístico. Redes sociais e ciberjornalismo. Estrutura geral dos meios de comunicação on-line. Web 3.0 e ciberjornalismo.

2ª PARTE:TRABALHO FINAL DE CURSO OU PROJETO

A última Fase do programa é destinada à realização do Trabalho Final de Curso, que pode ser começado com antecedência ao fim da 1ª Parte: Disciplinas, já que nesse momento o aluno contará com os elementos desenvolvidos necessários para iniciar o trabalho.

O objetivo é apresentar um documento completo que mostre o desenvolvimento total do trabalho proposto, contemplando a possibilidade de sua execução concreta, de acordo com os esboços e detalhes do Trabalho Final de Curso apresentado. O trabalho deve ser uma contribuição a alguns dos campos estudados ou seu relacionamento, tanto teórica como aplicada, e respeitando as doutrinas, teorias e disciplinas relacionadas.


Nota:O conteúdo do programa acadêmico pode ser submetido a ligeiras modificações, em função de atualizações ou de melhorias efetuadas.

Direção

  • Dr. Federico Fernández. Doutor em Ciências da Educação pela Universidad de Barcelona. Decano da Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades, Universidad Europea del Atlántico. Especialista em Desenho e Planejamento de Projetos. Diretor de vídeo e cinema. Pesquisador e Autor de diversas publicações sobre produção e indústria audiovisual e multimídia.
  • Dr. Santiago Tejedor Calvo. Professor UAB.
  • Dra. Silvia Aparicio. Doctora en Ciencias Económicas por la Universidad Autónoma de Madrid y Licenciada en Administración y Dirección de Empresas por la Universidad de Cantabria. Directora Académica Internacional del Área de Desarrollo Directivo, Organización Empresarial y Recursos Humanos de la Fundación Universitaria Iberoamericana, FUNIBER.

Professores e Autores

  • Dr. Santiago Tejedor. Professor da Universidad Autónoma de Barcelona, Facultad de Comunicación Audiovisual.
  • Ms. Celia Regina Beiro. Professora FUNIBER. Mestre em Engenharia de Produção. Graduada em Administração de Empresas.
  • Ms. Andrés Osorio. Professor FUNIBER. Engenheiro Industrial. Mestre em Recursos Humanos e Gestão do Conhecimento.
  • Ms. María Eugenia Luna Borgaro. Professora FUNIBER. Graduada em Psicologia.
  • Ms. Marcela Ortega. Professora FUNIBER. Graduada em Psicologia pela Universidad de Pamplona.
  • Dr. Ernesto Negrín. Professor Titular Universidad de Matanzas, Cuba. Doutor em Ciências Técnicas.
  • Dr. Vladimir Vega. Professor Titular Universidad de Matanzas, Cuba. Doutor em Ciências Econômicas.
  • Dra. Victoria Ramos Mansino. Professora de Imagem e Som.
  • Dr. Jordi Serra Flores. Professor de Processos e Meios de Comunicação.
  • Dr. Francisco Pecanins. Engenheiro, especialista em Luminotecnia.

Bolsa de Trabalho

A Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) destina periodicamente uma partida econômica com caráter extraordinário para o oferecimento de Bolsas de estudo em Formação FUNIBER. 

Para solicitá-la, preencha o formulário de solicitação de informação que aparece no portal FUNIBER ou entre em contato diretamente com a sede da fundação em seu país para saber se é necessário proporcionar alguma informação adicional.

Uma vez finalizado o Programa Acadêmico, os alunos que assim o desejarpoderão ingressar na Bolsa de Trabalho Ambiental. Para isso, deverãoremeter currículum vitae, indicando dados pessoais, acadêmicose de experiência profissional. Assim, o aluno estará informado dasofertas de trabalho que venham a surgir e que se ajustem a seu perfilprofissional.